sexta-feira, março 11, 2011

I just don't know what to do with myself...

Eu não sei se é infantilidade, não sei definir o que é isso, essa crise pela qual estou passando, não sei mesmo...

Só sei que não quero mais brincar disso. Quero acordar logo desse pesadelo.

Eu não estou preparada pra isso.
Não quero mais ser uma heroína, nem uma vitoriosa.
Só quero voltar à minha vidinha patética de sempre, trabalhar 90 horas por semana, estudar que nem uma louca, e chegar no fim de semana ir pro Alquimia com o Alessandro e beber algumas pra aliviar o estresse da semana toda, enquanto a gente fala das nossas nerdices de sempre. Fumar um cigarro...
Eu não tenho um emprego, não consigo trabalhar direito, não tenho dinheiro,não vou poder ir aos meus tão estimados congressos de literatura. Ainda fico gerando gastos pra todo mundo.
Eu quero entrar na sala de aula e mostrar a minha cara pras pessoas, não quero mais escondê-la atrás de uma máscara horrível e que deixa meus óculos suados.
Quero perder os quilos que ganhei com a doença e voltar a ser só a gordinha normal de sempre.
Qual o propósito disso tudo? Qual o sentido da vida (pergunta velha)?

Eu estou me sentindo feia.
Eu estou me sentindo triste.

E o que era pra ser o melhor momento da minha vida está sendo um pesadelo.


Coração está em frangalhos e a razão foi passear e não disse quando volta.

7 comentários:

Janayna disse...

Boba...
Você é sempre linda, e o nosso coração em frangalhos sempre volta melhor, vai valer a pena.
Não é pra ser heroína, é "só" ser Aline, isso é mais do que quase tudo no mundo, pelo menos pra mim, "ser Aline" é fundamental, é vital, vc é isso pra mim, sabe disso, né?
Te amo te amo te amo
beeeijo

Anônimo disse...

Esses seis meses vão passar voando. Não há pesadelo que não acabe.
Coragem. Você vai ficar ótima, curada e linda

caffu disse...

Sempre quando estiver assim pra baixo não querendo nada com nada, vai ter sempre uma pessoa segurando você pela mão e trazendo você para cima!!!!!
bjaoo

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Aline, não há nenhuma puerilidade ou brincadeiras em suas manifestações; são todas compreensíveis, sobretudo os seus desabafos. Desabafe mesmo! Não somos feitos de ferro, por mais “durões” que possamos parecer aos olhos alheios. E isto todo mundo sabe, eu sei, mas é preciso repetir e repetir e sentir, sempre.

Olha, realmente a gente nunca está preparado para os espinhos na busca das rosas. Afinal, sempre queremos fazer parte dos sonhos bons, viver a normalidade da vida dentro daquilo que nos foi Preparado.

Todavia, em tudo há um Propósito, um Roteiro Novo, inda que você, hoje com as vistas turvadas pelo momentâneo desalento, não os veja. Repare que até seu desabafo aqui hoje tem um justo propósito; mostrar que você é tão humana quanto qualquer pessoa especial.

Tanto é assim que hoje, mesmo que não queira se considerar uma heroína, VOCÊ JÁ É VITORIOSA; conseguiu se fazer ouvir e ecoou muito mais longe do que imagina seu grito de alerta.

Aline, enquanto eu lhe tecia esse comentário, ao fundo o rádio tocava “Theme from a summer place”, do maestro Percy Faith (uma canção que muito me marcou nos tempos de juventude aí em meu torrão natal, as sessões de cinema...). Olha, seu inverno está sendo por você superado minuto a minuto, e adiante um VERÃO já lhe acena... Esse o sentido do valor da vida; resignação e restaurações!

Alquimia e Alessandro saberão lhe esperar...

A propósito dos ecos de sua luta, Aline, quando puder leia acesse aqui: http://joaquimdepaula.com.br/index.php/2011/03/artigo-do-dr-balestra-sobre-a-clinica-oncologica-de-paranavai/

Abs.

JISA disse...

Simplesmente Aline....Ta certo que Deus colocou em sua vida essa pesada provação e eu não tiro sua razão em estar tão desolada, com o coração partido e a razão, longe, longe.... mas quem te conhece desde que nasceu, sabe que é a tua cara esses desabafos, essas crises"agora muito fundamentadas". Quantas portas batidas, quanto choro, quanta crise existencial..... lendo seu blog, vejo bem vc e agora te entendo mais que nunca.......bjos meu amor, amo vc.....

Evaldo disse...

Ola, Aline!
É natural sua preocupação, podemos dizer. Ouço-a com atenção e carinho, porque já pisei em muito chão das estradas da vida, passando meus apertos e vendo que o mundo é assim. O brilho de viver está nos apertos que a vida nos dá. Alguém um dia me disse, há muitos anos, em minha juventude: “são bênçãos as tuas lutas”. Hoje compreendo que são mesmo.
Quantos querem ser o que não sabem ser? Aí, sim, a vida se torna pesada. Os preconceituosos nunca vão amar ninguém. Veja o que algumas pessoas fizeram ao mundo com seus ódios. As guerras, escravidões e tudo mais. Mas, com todos os desacertos, a humanidade continua vencendo, porque há mais amor. Continue sua luta, com esta forma amorosa que demonstra.
O amanhã pertence a Deus. Sendo assim, confiemos. Haverá dias melhores.
Receba meu fraterno abraço.

Anônimo disse...

A cada segundo que passa, eu tenho mais CERTEZA que você vai ficar 100% curada.
Boa sorte, minha querida.