sábado, agosto 28, 2010

Conto de amor eterno...

Pode parecer bobo, e pode não ter importância nenhuma.
Pode não ser comovente...
Não pra quem lê...
Pode não ser o que vocês esperavam ler aqui...
Mas essas palavras, escritas num bilhete pra mim, há alguns anos, são as palavras que mais me alegram e ao mesmo tempo entristecem...
Eu perdi.

Vou transcrevê-las aqui:


"Borboleta, fico eternamente grato por ter te conhecido. De todos os passeios que demos, mais valeu aquele por dentro de nós mesmos. Você brilha. Te amo".


Queria poder te dizer que também o amo... queria te dizer que nunca deveria ter deixado você ir...
Pra sempre, sempre mesmo, você estará comigo, e não há um dia em minha vida que eu não pense em você, não há sequer um dia que eu não sinta saudades, meu amor.

Um comentário:

Bruxices tolas disse...

Então, borboleta...continue voando pelos mais belos jardins...quem sabe um dia os ventos te levem de volta àquele jardim tão especial e secreto.