domingo, abril 17, 2011

As três partes de mim...

Tem uma história que eu sempre quis contar aqui e ainda não tinha contado, mas hoje vai.

É a história do As três partes de mim.

Eu, Aline, criei esse blog no dia 2 de outubro de 2006, alguns meses depois de eu me mudar pra Paranavaí e deixar meus amigos todos em Cafelândia e Toledo. Mudei pra cá em fevereiro e passei alguns meses bem isolada de tudo, por não conhecer ninguém e estar um pouco deprimida por várias coisas, entre elas deixar a faculdade de Filosofia.

Mas isso tudo não vem ao caso.

A história que eu quero contar envolve três pessoas: 

Aline, Lu e Rosele.

Nunca na vida eu poupei declarações de amor aos meus amigos, mas com essas duas aqui existe uma história diferente, porque num belo dia acordamos e olhamos uma pra cara da outra e resolvemos fazer alguma coisa pra eternizar o momento que estávamos vivendo. Não era nada pra fazer com que nossa amizade fosse eterna, era pra eternizar um momento tão bom...

E nós fizemos isso: 


Sim, uma tatuagem. Cada uma dessas flores representa uma de nós.

Em nenhum momento pensamos que poderíamos nos arrepender por isso, e de fato não nos arrependemos.

Nós três sempre fomos muito unidas e era como se tivéssemos nascido juntas porque nunca faltava assunto, a não ser quando uma via que a outra precisava de silêncio, e a gente sempre soube se interpretar e respeitar. E nós brigamos e fizemos as pazes e fizemos reuniões pra discutir nossos defeitos e também o quanto aprendemos umas com as outras.

Nos divertimos e choramos muito juntas. Na verdade nos divertimos muito mais do que choramos. E como nos divertimos. As pessoas  nos davam apelidos e a gente ria desses apelidos.
Em uma de nossas reuniões chegamos a conclusão de que juntas formávamos um todo, porque uma era mais emocional, outra mais racional e outra mais sexual. E daí que vem AS TRÊS PARTES DE MIM: razão, emoção e sexo.
Porque estávamos sempre juntas e nos entendemos e nos lemos e nos conhecemos... uma amizade no mais literal sentido da palavra...

Bem, mas eu vou resumir um pouco. 

Eu vim embora, deixei tudo pra trás, fiquei um pouco deprimida e minha mãe insistiu pra que minhas amigas viessem pra cá pra me animar um pouco e uma delas veio: a Lu. Ela também já não estava mais em Toledo e a Rosele havia ficado por lá.

Eis que nesse passeio a Lu conheceu quem hoje é seu marido e eles acabaram de ter uma filha que é a minha afilhada que eu disse no post anterior. E já faz mais de ano que ela também veio embora pra cá e mora pertinho de mim. Mas isso não vem ao caso agora...
A Rosele continua em Toledo, a amizade a mesma apesar da distância.

Numa das viagens da Lu pra cá nós resolvemos criar esse blog pra ser de nós três, escreveríamos e assinaríamos cada uma com a sua denominação.

Mas acabou que só eu escrevi e estou aqui escrevendo até hoje...
Mas eu não ouso mudar a descrição. Esse blog é de nós três. Elas dizem que eu escrevo melhor, mas as portas estão abertas pra quando elas quiserem escrever o que quiserem.

Bem, meninas, quero que saibam que amo vocês e que a tatuagem não eternizou só o momento, a amizade também grudou.

2 comentários:

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Aline, muito linda sua verdadeira "ode" à amizade com as amigas. O bom da vida é isto mesmo; poder ter com quem e a quem contar o que nos vai no mais fundo do nosso peito, abrir as porteiras desse nosso território que pouca ou quase nenhuma pessoa consegue chegar; o nosso coração. abs

Andrea Berger disse...

Aline, lendo suas postagens, muitas vezes me pego chorando em seus ombros, você me consolando... Oras, mas não deveria ser o contrário?
Não.
Você tem coragem, esperança e principalmente fé.
Não tenha dúvidas, vai passar...
E talvez, depois de tudo,tudo o calvário, você não seja uma pessoa melhor, pois já é incrível; mas as pessoas que estão ao teu redor certamente serão.

Abraços querida.